Petrópolis, 19 de Outubro de 2020.
Matérias >> Conferências
   
  Conferência Municipal de Mobilidade Urbana na UCP

Data: 30/03/2014

Conferência Municipal de Mobilidade Urbana na UCP

Tribuna de Petrópolis, Domingo, 30 de março de 2014

 

Rômulo Barroso/Foto – Vagner Batista

 

A Conferência Municipal foi realizada ontem, no campus Benjamin Constant da Universidade Católica de Petrópolis (UCP). Pela manhã, diversas autoridades municipais estiveram presentes ao evento, ressaltando a importância do tema discutido. Tendo até abril do ano que vem para realizar o Plano Municipal de Mobilidade Urbana (prazo final para obter verbas federais para realizar as obras necessárias), o assunto foi colocado em pauta com objetivo de definir diretrizes de política pública para a área.

 

 

Pela manhã, a mesa de honra da Conferência foi composta pelo prefeito Rubens Bomtempo, o presidente do Conselho Municipal, Carlos Eduardo Pereira, o presidente de honra do Conselho, Philippe Guédon, o secretário municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico, Eduardo Ascoli, o presidente da Companhia Petropolitana de Trânsito e Transporte (CPTrans) e do Conselho Municipal de Trânsito (Comutran), Gilmar Oliveira, do engenheiro e professor da UCP, Fabini Hoelz, e do presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Igor.

 

O anfitrião do encontro foi o professor da UCP, Fabini. Ele comemorou a possibilidade da universidade receber a Conferência.

 

– A universidade é um depósito de ideias, mas que não devem ficar isoladas aqui dentro. Elas devem ser aplicadas em nossa cidade, em prol do desenvolvimento de Petrópolis – disse Fabini, que também destacou a participação popular.

 

– A participação popular na criação do Plano faz com que a responsabilidade na criação de diretrizes seja dividida entre a população e poder público. Isso é democracia - afirmou. Outro que comentou sobre a importância da participação ativa dos munícipes foi Philippe Guedón.

 

– Hoje (ontem) vão falar muito de planejamento. Mas quem será o prefeito daqui a 20 anos? A gente não sabe. Mas daqui a 20 anos terá o povo petropolitano. Por isso a participação popular é importante – falou. Guedón ainda pediu diálogo para o avanço do Plano Municipal de Mobilidade Urbana.

 

– Nós temos que encontrar o Plano do diálogo. A comunidade tem que aprender a fazer esse diálogo. Tem que ter diálogo com a autoridade sem querer ser autoridade. E a autoridade tem que reconhecer o papel da comunidade – declarou.

 

Para o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Econômico da cidade, Petrópolis precisa do Plano e que ele seja respeitado por qualquer pessoa que administre o município daqui para frente.

 

– Nós temos que criar diretrizes que possam ser cumpridos por todos os prefeitos. Produzir um documento que seja uma "bússola". A cidade merece isso – pediu Eduardo Ascoli. Na opinião dele, a formação da Conferência é bastante capacitada tratar do assunto.

 

– Tenho muito orgulho de participar de discussões de políticas públicas. E mobilidade urbana é o tema mais importante. Boa parte das pessoas aqui discutem o assunto a bastante tempo, desde quando não tinha esse nome – comentou.

 

Carlos Eduardo Pereira, que está terminando o mandato à frente do Conselho Municipal, resume a importância do assunto.

 

– Saúde, educação, segurança, tudo depende de uma adequada mobilidade urbana. Inclusive o desenvolvimento econômico. Esse é o principal desafio de agora. Creio que aqui nós estamos fazendo um futuro glorioso – coloca. O presidente da Câmara vai em direção parecida.

 

– O trânsito hoje é um problema social compartilhado, porque não importa quem está em ônibus ou no seu carro pessoal, todos vivem o mesmo problema. Temos que proporcionar melhor deslocamento a todos, e isso passa por obras de infraestrutura, mas não só melhorias físicas, mas também nos critérios de distribuição dos serviços – cobrou Paulo Igor. Ele aproveitou a oportunidade para colocar a Câmara à disposição para discutir as legislações necessárias para melhorar a mobilidade urbana da cidade. E agradeceu o comprometimento das pessoas que foram até o local para a Conferência.

 

– Não é mais do que nossa obrigação estar aqui, mesmo assim, quero cumprimentar quem saiu de casa nesse sábado, deixou a família neste dia para vir discutir um assunto tão importante, um tema tão crucial – falou.

 

O último a usar a palavra foi o prefeito Rubens Bomtempo. Ele mostrou qual foram as dificuldade encontradas pela administração municipal no primeiro ano de governo.

 

– Esse último ano foi um período difícil, em que nós ficamos muito tempo fazendo projetos e melhorando a situação de risco da cidade para poder tomar empréstimos. Mas isso foi importante, por exemplo, para conseguir recursos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) da Mobilidade. Hoje nós somos o único município no país a ter a garantia dos repasses – explicou. R$ 37 milhões foram conseguidos pelo governo municipal. O direcionamento dele começará a ser discutido no próximo dia 10, quando será realizada um audiência pública em dos locais que mais precisam de mobilidade em Petrópolis: o bairro Duas Pontes.

 

Em seguida, reconhecendo pontos fracos do município (como o déficit habitacional, que prejudica a mobilidade), ele fez questão de ressaltar os avanços obtidos pela prefeitura.

– O início das obras da subida da Serra, que nós conseguimos tirar do papel e já parte do cotidiano de todo mundo nós últimos 18 meses. E também vamos ter a ligação Bingen-Quitandinha, tudo isso sendo feito sem investimento público da prefeitura. Também temos a consolidação da integração do sistema, algo perseguido a vários anos e que agora temos essa determinação inédita do Comutran. Antes nós conseguimos a bilhetagem eletrônica, mas não tínhamos conseguido a integração total. Também vamos fazer 50 km de asfaltamento esse ano em conjunto com o governo do Estado – encerrou.




 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS