Petrópolis, 02 de Outubro de 2022.
Matérias >> Artigos
   
  QUANTO MAIS AS COISAS MUDAM...

Data: 22/07/2016

 

QUANTO MAIS AS COISAS MUDAM...

Philippe Guédon

 

            ...mais fica tudo na mesma. Traduzo a expressão francesa « plus ça change, plus c’est la même chose », que acerta na mosca.

            A realidade e as versões chapa-branca que gera são coisas diversas. Vejam o conceito de “golpe” bem diverso no Brasil ou na Turquia; melhor ser Presidente afastada cá do que professor lá. E as notas de “rating” atribuídas por agências tipo Moody’s ou Poors? Baixam as notas de Brasil ou Reino Unido, mas a ameaça real de vermos um Trump Presidente dos USA não as abala... Critica-se a Europa pela resistência à expansão das mesquitas e escolas muçulmanas, sem considerar a radical proibição da abertura de igrejas cristãs na maior parte dos países do Islã. Multidões de refugiados expulsas de seus países embarcam em frágeis botes para atravessar o Mediterrâneo; a responsabilidade vai para quem resgata e acolhe, não para quem expulsa ou faz cara de paisagem (toda a Ásia, por exemplo).   A Venezuela, que já foi jóia democrática, conhece o caos gerado pelo socialismo bolivariano. A reflexão de Konrad Adenauer era profética: “Se Deus limitou a inteligência humana, por que não terá limitado a burrice?”.

            Aqui no Brasil, vivemos época de crise ética, política e econômica, a exigir de todos o máximo de bom-senso na busca de difíceis soluções. Ora, a solução é confiada aos mesmos partidos que causaram o desastre; eis que no momento mais delicado, os parlamentares decidem assistir às festas de São João, depois entram em recesso (chamado “férias” cá embaixo, que eles tiram como se fossem escolares), a seguir assistem aos Jogos e por fim cuidam das eleições municipais. Os enormes problemas da União ficam para quem os quiser cuidar. A indispensável reforma político-eleitoral traz de volta a pauta primária do PSDB que conta com o apoio dos outros grandes partidos: limitação de novas siglas, fim das coligações, adoção do voto distrital misto, essas coisas bobocas. Os implicados na Lava-Jato querem corrigir os malfeitos extinguindo os não-implicados, raciocínio de lascar. Já, extinguir o Fundo Partidário e a gratuidade das redes de TV e rádio, adotar as candidaturas avulsas concorrendo com as indicações das siglas, instituir a federação de partidos, realizar plebiscitos e referendos, cumprir o Parágrafo Único do artigo 1º da Constituição Federal, que assegura serem os representantes eleitos “do povo” e não “dos partidos”, a ninguém parece interessar.

            O nível estadual é o caos absoluto, o desperdício total, uma instância a ser repensada, o pior custo/benefício da República. Assim como está, um atraso de vida.

E em Petrópolis, continua tudo como dantes no Quartel de Abrantes. A prorrogação secreta do contrato da Águas do Imperador para 2027/2042 continua valendo desde 2012. A Câmara esquece a publicidade de seus atos, a Ouvidoria do Povo “não convém” aos Vereadores, as máquinas incham, poucos setores funcionam, o RPPS está aí. Mas os edis cuidam das férias, dos Jogos e das campanhas. Adeus, 2016, Petrópolis que se vire.

 

            Em outubro, vamos mudar para que fique tudo na mesma. Saudades da Primavera de Petrópolis e anseio por planejamento participativo. Fora isso... 




 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS