Petrópolis, 20 de Abril de 2024.
Matérias >> Conselhos Municipais >> COMUTRAN/CPTrans
   
  Câmara Municipal se manifesta contra subconcessão do estacionamento rotativo

Data: 05/12/2014

 

 

Parte da Câmara se manifesta contra subconcessão do estacionamento rotativo

A notícia da subconcessão das 700 vagas de estacionamento rotativo de Petrópolis, divulgada pela Companhia Petropolitana de Trânsito e Transportes de Petrópolis (CPTrans) provocou reações na Câmara Municipal.

 

A notícia da subconcessão das 700 vagas de estacionamento rotativo de Petrópolis, divulgada pela Companhia Petropolitana de Trânsito e Transportes de Petrópolis (CPTrans) provocou reações na Câmara Municipal. Vários vereadores se manifestaram contrários à iniciativa e informaram que vão questionar o presidente da CPTrans, Gilmar de Oliveira, sobre os motivos da terceirização do serviço.  O assunto foi debatido inicialmente pelo presidente da Casa, vereador Paulo Igor (PMDB), que anunciou que encaminhará nesta sexta-feira um pedido de informações à CPTrans.  Paralelo a isso uma audiência pública será marcada para discutir o assunto.

“Numa cidade em que os estacionamentos estão entre as atividades mais rentáveis, a cobrança de rotativo em áreas públicas vem dando prejuízo à CPtrans.  Os números divulgados pela empresa não batem.  Diariamente os rotativos funcionam durante 9h, mas no cálculo da CPTrans estas vagas ficam ocupadas menos de 3h", diz Paulo Igor.

O presidente explicou ainda que além de encaminhar um pedido de informações à CPTrans, o departamento jurídico da Casa também avalia se a subconcessão, que dará direito a exploração dos rotativos pelo prazo de 10 anos, é legal.  “A CPTrans precisa explicar ainda como o número de vagas que hoje é de 700 passará para 1.700 – um aumento de mais de 150%”, completa o vereador Silmar Fortes.

Os vereadores Osvaldo do Vale e Jorge Martins (ambos do PSB) também manifestaram preocupação com a terceirização das vagas. “Temos que saber em que locais serão abertas estas novas vagas. Esta casa precisa se aprofundar mais neste assunto, pois ele interefere no dia a dia da cidade”, disse Vadinho.  “Os números divulgados realmente não batem.  Se o número de vagas vai aumentar, não há porque terceirizar este serviço”, completa o vereador Jorginho do Banerge.

O vereador Anderson Juliano (PT) sugeriu que o presidente da CPTrans seja convidado a dar explicações sobre a administração da Companhia. “A meu ver esta subconcessão tem como pano de fundo o fim da CPTrans. É importante que o presidente da Companhia venha a esta casa para nos dar informações sobre a administração da CPTrans e esclarecimentos sobre a arrecadação da empresa. A CPTrans já terceirizou o serviço de reboque, agora quer fazer esta suceoncessão das vagas de rotativo.  A meu ver esta subconcessão é um negócio que tem como pano de fundo o fim da Companhia”, considera o vereador Anderson.

A data da audiência pública está sendo definida.  “Vamos encaminhar nesta sexta-feira o pedido de informações e abrir um debate com a sociedade em uma audiência pública ainda este mês. Além de convidar a sociedade a participar destes debates, a Câmara convidará também os funcionários da CPTrans. Isso será feito por conta do risco aos empregos destas pessoas por conta dessa possibilidade de fim da Companhia”, explica Paulo Igor.




 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS