Petrópolis, 29 de Setembro de 2020.
Matérias >> Diálogo com a população >> Mensagens da Comunidade
   
  Lixeiras lotadas e muita sujeira provocam protestos

Data: 05/01/2012

Na 24 de Maio, o lixo acumulado fica também em um terreno do lado da caçamba: problema de saúde pública. / Alexandre Carius

Lixeiras lotadas, entulho ao redor de caçambas e forte mau cheiro. Esse é o cenário encontrado em diferentes pontos da cidade e, dessa vez, o problema não se restringe aos bairros mais afastados do município. Até áreas nobres como a Rua Rockfeller, no Valparaíso, sofrem com a situação. A indignação das comunidades é o fato de um problema que afeta a saúde pública não estar sendo tratado como deveria e ainda existir um agravante: quem liga para a Comdep para reclamar, é orientado a procurar pela Locanty, empresa contratada pela Prefeitura para a limpeza pública.
A preocupação é que o problema continue se estendendo, levando riscos para os petropolitanos. Ontem, uma das situações mais graves era percebida na Rua 24 de Maio, onde a coleta de lixo, segundo moradores, não era feita há cerca de uma semana. Regiões como Caetitu, em Corrêas, assim como os bairros São Sebastião, Cascatinha e Nogueira, estavam com o mesmo problema. Nesse último, por exemplo, apesar da Comdep afirmar que a coleta já estava normalizada, por volta das 13h as coletoras estavam lotadas.
Na 24 de Maio, moradores estavam indignados.”Aqui moram pessoas pobres, de família carente. Não é justo o que estão fazendo conosco”, disse a dona de casa Maria de Fátima, completando: “É a primeira vez que vejo uma situação como essa”. Por conta do acúmulo de sujeira, larvas estão se desenvolvendo em poças d’água nos arredores das caçambas e o número de ratos também aumentou, assim como a quantidade de moscas.
Outro que reclama é Alan de Souza, que mora no local há dez anos. “Ratos, baratas e todo tipo de inseto. A preocupação principal é com as crianças do bairro, que podem contrair algum tipo de doença. Já liguei pra Comdep e disseram que não é problema deles e que deveria procurar a Locanty. Fiquei pasmo com a resposta, até porque se trata de uma empresa contratada”, lembra o morador, indignado. 
No Caetitu, oito dias sem a limpeza foram suficientes para transformar o lugar num verdadeiro caos. A sujeira começa a ser percebida logo na entrada da comunidade e se estende  por toda a extensão da rua principal. “Ligamos várias vezes para a Comdep, mas alegaram que estão com muito serviço e trabalhando com um  número menor de caminhões nas ruas”, conta Wellerson Carlos Augusto. O morador Valdir Francisco Teixeira, de 64 anos, complementa: “Vimos o caminhão de coleta pela última vez, no dia 27 de dezembro. Depois disso, nunca mais voltou”.
Na Rua São Sebastião, as lixeiras em frente ao BNH estão tomadas pelo lixo, assim como na Rua Capitão Paladine, que fica no mesmo bairro. “Está uma sujeira completa. O lixo está espalhado pela rua e não existe uma lixeira desocupada”, diz a moradora Vera Lúcia. Na Rua Rockfeller, no Valparaíso, a situação é a mesma: “Temos três coletoras e não é o suficiente. Estamos há quatro dias sem coleta e a situação está bastante crítica”.
Em Nogueira, segundo o morador Diogo Corrêa, a coleta só tem acontecido na parte baixa da comunidade, enquanto na Rua Promenade o serviço não acontece. Já em Cascatinha, a jornalista Carla Coelho conta que a Travessa Luiz Mendes, onde mora, está há cinco dias sem coleta. “Ocachorros estão fazendo a festa. Entrei em contato com a Comdep e nem anotam a reclamação. Me passaram o telefone da Locanty, que disse que o lixeiro deveria ter passado ontem e que anotariam a reclamação, mas teríamos que esperar”.
A Comdep foi questionada ontem sobre o problema, inclusive sobre o  porquê da companhia não se considerar responsável pela Locanty, mas, através da assessoria de comunicação da PMP, se limitou a dizer que: “A coleta de lixo será feita no Caititu e na Rua 24 de Maio ainda nesta quarta-feira (04). Em Cascatinha e em Nogueira, o serviço já está normalizado. A Comdep acrescenta que o volume de lixo coletado teve grande aumento devido ao período de festas, o que demanda mais viagens ao aterro, por isso está disponibilizando caminhões extras para que o serviço seja normalizado em toda a cidade até o fim da próxima semana. Além disso, a Locanty está em processo de seleção e contratação de novos funcionários, com o objetivo de suprir esta demanda. A companhia esclarece que orienta para que reclamações e sugestões sejam feitas à Locanty, empresa responsável pelo serviço, para que possam ser dados os devidos esclarecimentos”.

Fonte: Tribuna de Petrópolis.




 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS