Petrópolis, 23 de Agosto de 2019.
Matérias >> Propostas Comunitárias de Politicas Públicas
   
  Modelagem do Sistema

Data: 14/10/2010

 Modelagem do Sistema

 

 

Conforme combinado preparei as simulações considerando as demais regiões que possuem rotas radiais de ligação com o Centro Histórico. O resultado está resumido na tabela abaixo. A redução mais significativa de quilometragem ocorre na região da Mosela/Bingen, Zona sul e Retiro/Carangola. Este último caso pode ainda sofrer remodelagem com uma estação de transferência na altura do Retiro, o que não foi considerado nesta análise.

A região de Correas e Itaipava não apresenta uma redução significativa de quilometragem, pois, apenas as linhas troncais chegam ao Centro Histórico. O mesmo ocorre com as rotas que servem à região de itaipava. Em anexo seguem as tabelas de km prevista, comparando-se o antes e o depois.

Abraços a todos,
Gilmar




REGIÃO / EMPRESA

KM ATUAL

KM PREVISTA

DIFERENÇA

VAR (%)

BINGEN/MOSELA

532.685,39

431.789,19

-100.896,20

-18,94%

ZONA SUL

652.154,80

562.138,00

-90.016,80

-13,80%

RETIRO/CARANGOLA

282.635,90

229.843,70

-52.792,20

-18,68%

CORREAS

354.321,50

335.677,14

-18.644,36

-5,26%

ITAIPAVA

609.603,90

584.399,95

-25.203,95

-4,13%

         

TOTAL

2.431.401,49

2.143.847,98

-287.553,51

-11,83%

         
     

                             (38)

 










On Thu, 14 Oct 2010 17:43:44 -0200, Ronald Pamphile wrote

>
> É isso aí! É preciso ir juntando tecnologia, traçado, solução! O Brasil inventou o BRT e já existem dezenas de sistemas pelo mundo, incluindo inovações tecnológicas.
> Um dos passos é o circular com sua respectiva adequação tecnológica. Há de se pensar como esse sistema pode também ser adequado a uma demanda turística.
> Temos de ir até onde vai nossa capacidade!
> já mexer nas fundações... hmm...não precisa tanto
> Sugiro que um, com habilidade para escrever, comece a fazer a memória dos encontros, propostas e críticas, enfim, a evolução até agora (com mapas se puder, claro).
>
> Abs

>
> On Thu, 14 Oct 2010 12:20:08 -0300, Ivan Weinem wrote
> > Olá Pessoal,
> >
> > Embora não possua um laboratório, as vibrações neste caso estão ligadas à quantidade de Movimento, que é o produto da Massa x Velocidade e da qualidade do solo nas proximidades e do tipo de fundações das construções. 
> >
> > No primeiro caso basta diminuir a velocidade dos veículos pelas sinalizações, limitando-a e com o alargamento das calçadas, o que melhora o espaço de manobra dos veículos ao se movimentar para entrar e sair das propriedades pertencentes às ruas em questão.
> > Aliás, o alargamento, além de prestigiar os imóveis, também leva em conta o pedestre, que terá condições de se movimentar melhor e respirando menos poluentes, já que as velocidades dos veículos irão cair.
> >
> > Os veículos menores (menor massa) também irão contribuir para esta questão.
> >
> > Outro detalhe, já mencionado pelo Prof. Gaiofatto, é a questão da mudança do material da sub-base e base da pista, garantindo-lhe maior capacidade de suporte. O que fará ocasionar menores vibrações.
> >
> > Outro ponto é o reforço das fundações dos imóveis tombados, caso queira se investir.
> >
> > Por outro lado, é necessário um estudo maior para garantir que apenas ônibus e caminhões são os responsáveis por este efeito.
> >
> > Vale a pena chegar a opinião de outros colegas.
> >
> >
> > Ivan



Arquivos:

 Modelagem_do_sistema.pdf


 

 

Área do Município: 795.798 km²
População estimada (2013): 297.888 habitantes (95% alfabetizada)
Densidade Demográfica (2013): 371,85 habitantes/km²
PIB (2011): R$ 9.212.328.000,00 (R$ 30.925,47 per capta)
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (2010): 0,745 (13º dentre 92 no RJ)
Fonte: IBGE
DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS