Petrópolis, 23 de Agosto de 2019.
Matérias >> Artigos
   
  Trump, autocrítica da mídia

Data: 21/11/2016

 

Por Carlos Alberto Di Franco (foto) - jornalista 

Não tenho entusiasmo por Donald Trump. Assusta-me a exacerbação patológica do seu ego. Suas bravatas não preocupam tanto. São marqueteiras e oportunistas. Chuvas de verão. A vida real e os formidáveis freios e contrapesos da democracia norte-americana impedem aventuras muito coloridas: o Legislativo e o Judiciário não permitem que presidente ultrapasse a fronteira da vida democrática. 

Este artigo não está focado em Donald Trump, mas na qualidade da cobertura da imprensa. A vitória do republicano foi uma derrota da mídia. A imprensa, excessivamente engajada, não foi capaz de captar a América profunda. Não fez jornalismo. Fez campanha.

O que se viu não foi uma cobertura das eleições presidenciais, mas uma vasta mobilização midiática a favor de Hillary Clinton. Os jornais foram muito além de uma opção editorial transparente e aceitável. Perderam conexão com a realidade.

Como disse um amigo, desde as convenções dos partidos ele foi considerado uma piada. Agora, assim como o Brexit, será objeto de teses acadêmicas sobre a incapacidade dos analistas em antever o iceberg.

Precisamos, todos, fazer uma autocrítica.

Um abismo separou a chamada elite intelectual, formadores de opinião e jornalistas, que são mais cosmopolitas e liberais e torciam pela vitória de Hillary, e o grosso da população que elegeu Trump.

“Como esses dois grupos praticamente não convivem, não houve troca entre eles. Muitos jornalistas só conversavam entre si”, diz Philip Seib, professor de jornalismo e de relações internacionais da Universidade do Sul da Califórnia, em Los Angeles.

A revista americana Newsweek chegou a imprimir 125.000 exemplares com Hillary presidente na capa. Esqueceu-se o básico: ouvir as pessoas, sair às ruas, fazer jornalismo.

O que preocupa, e muito, é a percepção que se formou a respeito de uma suposta separação entre a imprensa e o mundo real.

As redes sociais registram forte rejeição à mídia. E isso é injusto, precipitado e perigoso. Sem jornalismo público, independente e qualificado, o futuro da democracia é incerto e complicado. A internet é um fenômeno de desintermediação.

E que futuro aguarda os meios de comunicação, assim como os partidos políticos e os sindicatos, num mundo desintermediado?

Só nos resta uma saída: produzir informação de alta qualidade técnica e ética. Ou fazemos jornalismo para valer, fiel à verdade dos fatos, sem engajamentos ideológicos, apoiado na força de uma opinião equilibrada e qualificada, verdadeiramente fiscalizador dos poderes públicos e com excelência na prestação de serviço, ou seremos descartados por um consumidor cada vez mais fascinado pelo aparente autocontrole da informação na plataforma digital.

O Globo



 

 

Área do Município: 795.798 km²
População estimada (2013): 297.888 habitantes (95% alfabetizada)
Densidade Demográfica (2013): 371,85 habitantes/km²
PIB (2011): R$ 9.212.328.000,00 (R$ 30.925,47 per capta)
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (2010): 0,745 (13º dentre 92 no RJ)
Fonte: IBGE
DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS