Petrópolis, 23 de Agosto de 2019.
Matérias >> Artigos
   
  A esquerda que agrada os ricos

Data: 04/10/2016

 

Marcelo Freixo, votou por volta das 11h30 deste domingo (2) no Paissandu Atlético Clube.

Por Helio Gurovitz

A maior vítima da urnas nas eleições municipais foi o campo político identificado genericamente como “esquerda” – um termo meio sem sentido, como já escrevi, mas vá lá... A votação no PT caiu 61%; no PCdoB, 6%; no PSOL, 13% – e apenas o PDT cresceu 2%, de acordo com o levantamento da equipe de dados do G1. Ao todo, os partidos de esquerda somaram algo como 16,8% dos votos válidos, um valor equivalente à votação apenas do PT em 2012, quando a esquerda somara 25,8%.

A redução pode ser atribuída essencialmente ao naufrágio do PT, cujo número de votos, em termos relativos, foi de 16,7% para 6,7% – uma perda de dez pontos percentuais, ou mais de 10 milhões de eleitores. Pode-se argumentar que a derrocada do PT seja resultado dos escândalos de corrupção ou da irresponsabilidade fiscal na gestão de DIlma Rousseff, que resultou em seu impeachment.

Há, contudo, um fato mais relevante numa eleição muncipal – e mais decisivo para o encolhimento do PT e das esquerdas. Trata-se, em termos bastante simples, de um paradoxo aparente: os partidos que se identificam como “de esquerda”, sempre associados à luta contra a miséria e aos mais pobres, se tornaram partidos dos mais ricos. Não falam mais aos anseios das camadas populares.

Tal fato é constatado de modo cristalino nas votações dos dois maiores candidatos auto-proclamados como “esquerdistas” nas duas maiores cidades do país: Marcelo Freixo, do PSOL, que passou ao segundo turno no Rio de Janeiro (na imagem acima, ele depois de votar), e Fernando Haddad, o prefeito de São Paulo, derrotado com a menor votação do PT em eleições municipais paulistanas.

Nas regiões pobres de São Paulo, a votação de Haddad foi um desastre. Em Parelheiros, Zona Sul, caiu de 67% para 17,5%. No distrito de Pinheiros, região de classe média alta que engloba a turística Vila Madalena, manteve o mesmo patamar, apesar da débâcle petista – foram 24,9% em 2012; 24,5% no último domingo. O melhor desempenho de Haddad foi nas regiões mais ricas; o pior, na periferia.

A simetria com Freixo é absoluta. Ele obteve seu melhor desempenho em bairros da Zona Sul, como Cosme Velho e Laranjeiras (39,5%), Botafogo e Humaitá (35,3%) e Jardim Botânico e Lagoa (31,2%). A menor votação veio de regiões pobres da Zona Oeste, como Santa Cruz (7,3%), Cosmos e Paciência (7,4%), Penha (11,8%), Brás de Pina, Cordovil e Lucas (13,4%). A consultoria Mercado Popular verificou uma correlação nítida entre a votação em Freixo e o nível mais baixo de escolaridade das regiões.

Basta analisar a gestão de Haddad em São Paulo para entender o drama da esquerda contemporânea. Foi-se o tempo da revolução contra o capitalismo. A ideia agora é usar o dinheiro do Estado – a esquerda sempre gostou de impostos – para implantar todo tipo de política que tenha um ar mais moderninho, mais descolado, mais “sustentável”. Pouco importa se resolve algum problema real. Na hipótese generosa, tal política é inócua – na realista, omissa.

Não é à toa que a gestão Haddad tenha agradado mais os ricos que os pobres. Ele governou para a Vila Madalena, não para Parelheiros. Preferiu os estudantes da velha classe alta aos emergentes da nova classe média. Preocupou-se mais com questões de gênero do que com saúde e educação. Esqueceu as invasões de terreno e implantou um programa de combate ao crack que, sob o pretexto de acabar com a cracolândia, espalhou pela cidade áreas de concentração de drogados.

No transporte, adotou uma agenda de matriz europeia, cujo maior símbolo são as ciclovias. Reduziu a velocidade em vias expressas, e brandia estudos para cima e para baixo para justificar a maior lentidão. Comprou um sem-número de brigas com os taxistas. Encheu a cidade de faixas exclusivas de ônibus, sem que isso tivesse efeito na qualidade do transporte. A última pesquisa Nossa Cidade verificou que o tempo médio de deslocamento aumentou ou permanece o mesmo desde 2013. A insatisfação da população com a qualidade do transporte público continua igual. O trânsito piorou.

A população mais pobre se sentiu abandonada em detrimento do público com bicicleta, barba hipster e sandália Birkenstock, comendo granola orgânica e tomando cerveja artesanal. A vida de quem mora na periferia continua afetada por questões mais comezinhas: o atendimento precário em hospitais e postos de saúde, o tempo de deslocamento absurdo, o preço da faculdade, a qualidade pífia da escola dos filhos, os traficantes, a violência. Para resolver tudo isso, não adianta buscar inspiração na Alemanha ou na Dinamarca.

G1



 

 

Área do Município: 795.798 km²
População estimada (2013): 297.888 habitantes (95% alfabetizada)
Densidade Demográfica (2013): 371,85 habitantes/km²
PIB (2011): R$ 9.212.328.000,00 (R$ 30.925,47 per capta)
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (2010): 0,745 (13º dentre 92 no RJ)
Fonte: IBGE
DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS