Petrópolis, 09 de Dezembro de 2019.
Matérias >> Cidade >> Notícias
   
  Após 33 fases, Lava-Jato é prorrogada por um ano

Data: 07/09/2016

 

Após 33 fases, Lava-Jato é prorrogada por um ano

 
• Conselho do Ministério Público decide manter força-tarefa até setembro de 2017; operação começou em 2014
 
Vinicius Sassine - O Globo
 
-BRASÍLIA- A Operação Lava-Jato está longe do fim, mesmo depois de 33 fases, 70 acordos de delação premiada, 170 prisões, 48 inquéritos sobre políticos com foro privilegiado, livros escritos e uma série policial prevista para estrear em 2017. Este universo, marcado por delatores, operações policiais espetaculares e investigadores incensados pela opinião pública, com o juiz Sérgio Moro à frente, prossegue pelo menos até 8 de setembro de 2017.
 
Em reunião ontem, o Conselho Superior do Ministério Público Federal aprovou a prorrogação por mais um ano da força-tarefa montada em Curitiba. A esticada da mais longeva operação de combate à corrupção no Brasil começa a contar a partir de amanhã. O conselho, órgão máximo de deliberação do MPF, é presidido pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
 
Ainda são esperadas as delações de executivos das empreiteiras Odebrecht e OAS, parte das sentenças de Sérgio Moro e as ações penais contra políticos com foro privilegiado.
 
A Lava-Jato começou em março de 2014, com a investigação de doleiros que operavam no mercado paralelo de câmbio. Uma rede de postos de gasolina, com serviço de lava-jato, foi usada para movimentar recursos ilícitos. Já no início da operação, o universo das delações premiadas pautou as investigações. O esquema de corrupção montado na Petrobras não demorou a aparecer, com desvios de contratos superfaturados e irrigação de partidos políticos.
 
Trinta e três fases e dois anos e meio depois, a Lava-Jato investiga da ex-presidente Dilma aos caciques do PMDB. Dilma é suspeita de obstrução à Justiça. Os peemedebistas são acusados de receber propina de desvios de contratos de estatais. O presidente Michel Temer foi citado em delações premiadas e apontado como beneficiário de doações ilegais de campanha.
 
Ao fim do novo prazo dado aos procuradores da República em Curitiba, terão transcorridos três anos e meio de operação. Não há qualquer precedente na História do combate à corrupção no país.
 
Além da prorrogação do funcionamento da força-tarefa, o conselho autorizou também estender os trabalhos, por três meses, do grupo do MPF no Rio. Este grupo investiga os desdobramentos da Lava-Jato no setor elétrico, mais especificamente na Eletrobras, e contará com mais dois procuradores da República. Em Brasília, um grupo de trabalho da Procuradoria-Geral da República cuida dos inquéritos sobre autoridades com foro privilegiado. Além dos políticos, são investigados suspeitos cujos atos estão conectados aos de autoridades políticas.



 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS