Petrópolis, 25 de Janeiro de 2020.
Matérias >> Conselhos Municipais >> COMUTRAN/CPTrans
   
  Tarifa pode subir para manter os cobradores

Data: 02/09/2015

 

 

Tarifa pode subir para manter os cobradores

Tribuna de Petrópolis, 02/09/2015

 

Lívia Müller

Redação Tribuna

O preço do transporte público pode aumentar em Petrópolis e até o fim da semana vai ser divulgado o valor do acréscimo pela Setranspetro. A revisão pode passar a valer ainda neste mês de setembro, já que a proposta foi feita na última reunião (25) da Câmara Municipal dos Vereadores quando foi aprovada uma alteração na Lei Municipal 7.243/14, que proíbe que motoristas exerçam a função acumulada de cobradores em coletivos com capacidade superior a 40 passageiros. A lei deve ser sancionada prefeito Rubens Bomtempo em um prazo de 30 dias.

O inciso 2°, paragrafo único, art. 1°, que passou a valer em janeiro deste ano, permite a ausência do cobrador no veículo, visto que 70% dos passageiros fariam o pagamento com o cartão RioCard e essa cobrança passou a ser feita pelo motorista. Com a lei, cerca de 200 cobradores foram realocados para outra função, segundo a Setranspetro, porém com a nova norma a Câmara Municipal pretende assegurar o emprego de 500 funcionários, além da segurança pública. A modificação se justifica ainda pelo inciso 2° ser usado como justificativa para demissão dos cobradores. 

De acordo com o presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Igor (PMDB), a medida foi tomada depois da informação de que 112 linhas circulam sem os cobradores. Ele contou também que as despesas com salários de cobradores constam nas planilhas apresentadas devido ao reajuste no preço das passagens em janeiro de 2015. “Essa despesa aparece, assim como outros itens como, por exemplo, o reajuste – de 170% – nos salários dos diretores das empresas. É um total absurdo que menos de oito meses após um reajuste de 14,29% no preço das passagens, o Sindicato das Empresas venha cogitar a possibilidade de um novo aumento”, afirma.

Ainda segundo Paulo Igor, outro ponto que precisa ser considerado é que boa parte das empresas não cumprem o número de viagens diárias estabelecidas nas linhas onde operam. “Isso gera economia e aumenta a lucratividade das empresas, ao passo que os passageiros ficam no prejuízo, pagando uma tarifa cara e encontrando um serviço de má qualidade” pontua.

Segundo a gerente de planejamento da Setranspetro, Carla Rivetti, ainda não foi calculado o valor do acréscimo e a medida vai impactar em todo o equilíbrio econômico do sistema. “As empresas vão apresentar nos próximos dias um cálculo para a revisão da tarifa”. Ela afirma e explica que o pedido de revisão não pode ser confundido com reajuste, pois ele acontece conforme uma necessidade atemporal, enquanto o reajuste é recalculado anualmente, já que ao longo do ano os itens que compõem a tarifa também sofrem o aumento.

Sobre os cobradores, Carla disse eles foram deslocados de posição e muitos trabalham agora na distribuição de cartão de RioCard, para ela essa é uma função de transição. “Nenhum deles têm o sonho de permanecer para o resto da vida. Essa é uma porta de entrada para a empresa, muitos se tornam motoristas e outros dois já chegaram a cargos de chefia. Com a lei, alguns se tornaram promotores da RioCard e orientavam na recarga, agora eles terão que voltar para as suas funções e essa distribuição será interrompida” afirma. 

 

Ela contou que se aprovada pelo Executivo, cerca de 200 cobradores retornarão aos ônibus e que atualmente a função emprega cerca de 700 pessoas que têm o piso salarial de R$1.076,54, benefício de R$160,00 em cesta básica e auxílio uniforme.




 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS